• Tamanho Letra
  • Imprimir
  • Partilhar  Partilhar
  • Comentar
  • Ler Comentários
Gostou desta notícia?
URL

Defesa de Renato Seabra contrata psiquiatra Carlos Castro: Paixão Fatal: 09.4 - 15h Por: Valério Boto, em Nova Iorque

Renato Seabra, acusado do homicídio do colunista Carlos Castro, esteve ontem presente em nova audiência do Tribunal Supremo de Nova Iorque. Desta vez, o modelo apareceu de fato escuro e camisa branca, ao contrário das audiências anteriores, em que vestiu a farda cor-de-laranja do Departamento de Correcção.

Indumentária diferente - levada pela mãe - mas o mesmo comportamento das audiências anteriores. O jovem, algemado, sentou-se em silêncio a ouvir o tradutor. Durante a curta audiência, cerca de quatro minutos, não falou. Fixou o juiz com ar atento, muito calmo e sereno.

Segundo o seu advogado, David Touger, Renato "está bem dadas as circunstâncias". Detido na ala psiquiátrica do Hospital de Bellevue, pode circular pelos corredores e terraço do estabelecimento, sempre sob o olhar atento de segurança e guardas prisionais. Na próxima semana, será novamente avaliado por um psiquiatra contratado pela defesa.

A audiência de ontem centrou-se no estado psicológico e emocional de Renato na altura do crime, com a acusação a exigir que a defesa clarifique se pretende recorrer à "defesa psiquiátrica".

O advogado de defesa alegou por seu turno não ter os elementos de que necessita para definir a sua estratégia. "A Procuradoria disse que na próxima semana nos vai dar a maioria da documentação que não temos, e dentro de duas a três semanas podemos concentrar a nossa defesa numa direcção", disse David Touger. Entre os elementos que a Procuradoria ainda não disponibilizou estão o relatório da autópsia e fotos do local do crime.

O juiz Charles Solomon fixou entretanto a próxima audiência para dia 29 de Abril. 

FAMÍLIA UNIDA DÁ FORÇA AO MODELO

Odília Pereirinha, mãe de Renato, contou desta vez com o apoio da filha durante a audiência. Joana Seabra sentou-se ao lado da mãe, no último banco da sala de tribunal.

A família chegou acompanhada por uma amiga e manteve-se em silêncio durante a permanência no edifício do Tribunal Supremo. Entraram na sala 1383 cerca das 10h30 (15h30 em Lisboa), hora do início da sessão, e aguardaram a chegada de Renato. Nem depois da sessão quebraram o silêncio. Mãe e filha seguiram para o elevador e saíram do tribunal, em passo apressado, na direcção do carro da amiga, estacionado a alguns quarteirões.  

Fotogaleria: Algemado de pés e mãos

Fotogaleria: Família de Renato só consegue promessas

Fotogaleria: Renato já usa farda prisional

Fotogaleria: Renato sem apoio judiciário

Fotogaleria: Renato sem apoio judiciário

Fotogaleria: Procuradora fala em morte brutal

Fotogaleria: Flores no hotel do crime

Fotogaleria: Vida de emoções fortes

Fotogaleria: Irmãs reconhecem corpo

Fotogaleria: Tragédia junta família

Fotogaleria de Carlos Castro

Fotogaleria de Renato Seabra

Vídeo: Missa por Renato Seabra

Vídeo: Mãe visita Renato Seabra no hospital 

Vídeo: Missa do Sétimo Dia

Vídeo: Carlos Castro: Procedimentos fúnebres

Vídeo: Luís Pires comenta morte de Carlos Castro

Vídeo: Renato confessa crime

Vídeo: Carlos Castro 1945-2011



Partilhar:

PUB

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Presslivre, S.A.,
uma empresa Cofina Media - Grupo Cofina.