• Tamanho Letra
  • Imprimir
  • Partilhar  Partilhar
  • Comentar
  • Ler Comentários
Gostou desta notícia?
URL

Catarina Gouveia: “Gosto de dar e receber afectos”Confissões: 12.5 - 10h

A paixão de Catarina Gouveia pela representação nasceu em Santa Maria de Feira, onde vivem a família e o namorado. A sua personagem em ‘Doce Tentação’ obriga-a a passar muito tempo em Lisboa, mas aos fins-de-semana ruma ao encontro dos seus afectos. Confessa que um dia gostava de ser protagonista de uma novela.

- Quando se apercebeu de que queria ser actriz?

- Eu sou de Santa Maria da Feira, onde se realiza uma feira medieval todos os anos. Os grupos de teatro locais participam na feira e recrutam pessoas para fazerem de figurantes nessa altura. Eu tinha 10 ou 11 anos quando pedi aos meus pais que me inscrevessem nesses grupos e foi aí que tudo começou.

- Os seus pais aceitaram bem a ideia de se envolver num grupo de teatro?

- Sim, até porque calhava numa altura de férias e era uma boa ocupação. Além dos teatrinhos medievais, fazíamos também artifícios de fogo, que são danças com correntes de fogo. Tornei-me uma ‘profissional’ nessa actividade.

- Entretanto, optou por tirar o curso de Psicologia.

- Sim, tirei até ao terceiro ano, depois comecei a ter dúvidas se era isso que queria. Parei de estudar, estava cansada, a passar por muitos problemas pessoais. Ainda bem que parei. Acredito que as coisas não acontecem por acaso. Foi por ter parado que fui ao casting dos ‘Morangos com Açúcar’.

- Quer dizer que acredita no destino?

- Acredito que há coisas destinadas a ser nossas.

- Disse que estava a ter problemas pessoais...

- Sim, entrei para a faculdade com 17 anos e estava a trabalhar e a estudar ao mesmo tempo. Os meus pais tinham uma empresa que, em 2005, abriu falência e, por isso, não tinham a possibilidade de me pagar os estudos. Eles passaram nessa altura por aquilo que muitas famílias estão a passar hoje. Ficaram sobreendividados, perdemos a nossa casa, foi muito duro.

- Estava habituada a ter tudo?

- Fui uma criança que cresceu com tudo. Fui federada em natação e ténis, pude ter aulas de dança e canto, os meus pais deram-me uma infância a que todas as crianças deveriam ter direito. Tive uma infância muito feliz.

- Então foi difícil ter pouco dinheiro.

- Foi difícil lidar com tudo, tivemos de entregar a nossa casa ao banco e, quando se faz isso, não se entrega só a casa, entrega-se a vida das pessoas que trabalharam uma vida inteira para poderem ter algum conforto. De repente, perde-se tudo.

- E a união familiar ajudou...

- Sim, somos uma família muito unida e demos a volta relativizando as coisas.

- Isso coincidiu com a entrada na faculdade. Foi trabalhar em quê?

- Comecei por fazer ‘baby-sitting’, sempre adorei crianças. Aliás, quando estava a tirar Psicologia tinha intenção de me dedicar à área educacional. Depois, comecei a fazer presenças à noite. Fazer noites e, depois, ir às aulas de manhã deixou-me esgotada, exausta. E como eu só ganhava 30 euros para estar três horas em pé numa discoteca, acabei por desistir, até porque não gosto nada de discotecas, para mim era um frete.

- Não se diverte nas discotecas?

- Não me divirto nada. No dia em que for proibido fumar nas discotecas, vou gostar. Ainda há pouco tempo fui e saí de lá a cheirar a tabaco dos pés à cabeça.

- Não tem vícios?

- Não fumo nem bebo álcool, nem em ocasiões sociais. Não gosto.

- Ainda estava a estudar quando fez o casting para a ‘FHM’?

- Sim, surgiu a oportunidade de fazer o casting para a ‘FHM’ nessa altura. Quando fazia presenças, havia raparigas que ganhavam mais do que eu por aparecerem em certas revistas. Decidi, então, tentar a minha sorte, achei que se aparecesse numa revista, em vez de ganhar 30 euros, poderia ganhar 70 ou 75, o que para mim era muito bom.

- Ganhou o casting quando tinha 18 anos. Como se sentiu a fazer fotos ousadas?

- Primeiro fiquei muito feliz quando soube que tinha sido a escolhida. Quando fui fazer as fotografias, não tinha a consciência e a maturidade que tenho hoje, era completamente inexperiente. Sou muito envergonhada e tímida e o produtor foi-me orientando. Aceitei fazer o que me propuseram.

- Arrependeu-se?

- Não tenho razões para me arrepender. Mas não é uma coisa de que me orgulhe, não ando com as fotos na mala para mostrar às pessoas. Fez parte do meu percurso, talvez se não tivesse ido a esse casting, não teria feito o casting para a série ‘Morangos com Açúcar’.

- Como encararam os seus pais essa produção fotográfica?

- Muito bem. Tive sempre muito apoio, principalmente da minha mãe.

- A partir dessa altura começaram a surgir boas oportunidades?

- Sim, comecei a ser chamada para fazer castings de publicidade e, depois, o dos ‘Morangos com Açúcar’. Quando fiz a primeira publicidade, ainda estava no 3º ano de Psicologia. Numa manhã ganhei o suficiente para pagar as minhas propinas. Depois fiz outra e fui de férias com o meu irmão [Diogo, de 17 anos].

- Foi só com o seu irmão?

- Sim, ele dizia que quando os professores mandavam fazer composições sobre as férias, os amigos escreviam sobre Brasil, Algarve, e ele nunca ia a lado algum. Fui com ele para umas ilhas espanholas.

- Depois dos ‘Morangos com Açúcar’ surgiram novelas em horário nobre, como ‘Espírito Indomável’ e, agora, ‘Doce Tentação’. Já se sente à vontade na arte da representação?

- Terei sempre necessidade de aprendizagem. No nosso contrato dão-nos um ‘plafond’ para investirmos em cursos e workshops.

- Gostava de fazer cursos no estrangeiro?

- Gostava de fazer no Brasil. Não me estou a ver nos Estados Unidos, a falar inglês...

- E entrar numa novela brasileira?

- Gostava, cresci a ver novelas brasileiras, mas é um passo de cada vez. Se as oportunidades tiverem de surgir, surgem.

- Namora com um futebolista [Guima, avançado da Oliveirense). Como se conheceram?

- Conhecemo-nos no liceu, em Santa Maria da Feira.

- Pensam em casar-se?

- Sim, sonho construir a minha família, mas ainda falta muito. Só tenho 24 anos.

- Ele aceita bem a sua profissão? Não é ciumento?

- Ele apoia-me e é ciumento q.b.. Temos uma relação feliz, apesar de ele estar em Santa Maria da Feira e eu em Lisboa. Sempre que posso vou para lá.

- Não pensa em viver com ele?

- Não compensa, porque só vou a Santa Maria da Feira aos fins-de-semana. Estarmos a pagar renda de um apartamento só para estarmos juntos aos fins-de-semana não compensa.

- É sempre assim racional ou também é romântica?

- Sou muito romântica. Gosto de lhe fazer surpresas e ele também me faz.

- Na sua profissão, a imagem é importante. O que faz para cuidar dela?

- No meu dia-a-dia tento não andar maquilhada porque no estúdio a nossa pele está carregada de base, de pós compactos, a pele não respira. Por isso, sempre que acaba uma gravação, desmaquilho-me e mantenho a pele bem hidratada. E bebo muita água.

- Não faz ginásio?

- Não gosto, sou preguiçosa. Mas quando estou em Lisboa, faço caminhadas no Passeio Marítimo de Algés.

- E faz dietas?

- Não, tenho sorte, sou naturalmente magra.

- É gulosa?

- Sou muito gulosa. Gosto muito de comer doces, chocolates...

- E sabe cozinhar?

- Sei cozinhar muito bem.

- Qual o seu prato favorito?

- Adoro cozinhar massas. A minha mãe é uma excelente cozinheira e eu aprendi com ela. Aliás, cresci a cozinhar. Nas férias, quando a minha mãe ia trabalhar, orientava-me para fazer o almoço. Adoro cozinhar para a minha família e para o meu namorado.

- O que lhe dá mais prazer na vida?

- Os afectos. Tenho muito prazer em estar com as pessoas de quem gosto. Gosto de dar e receber afectos.

- É carinhosa?

- Sou muito carinhosa. Gosto muito de toques, beijinhos e abraços.

- É reconhecida na rua?

- Eu passo despercebida. Com calças de ganga, sem maquilhagem, sou uma rapariga no meio de outras. Mas quando acontece reconhecerem-me, é muito agradável. As pessoas são muito queridas e falam sobretudo da ‘Ju’ de ‘Espírito Indomável’. É através dessas abordagens que vejo o impacto que a personagem teve.

- Qual vai ser o seu próximo projecto?

- Ainda não sei. Está previsto gravarmos a novela ‘Doce Tentação’ até ao Verão.

- Gostava de ser protagonista?

- Claro que um dia gostava de ser protagonista, mas não fico infeliz se não for. Temos de ver as coisas pelo lado positivo. Se fosse, não ia tantas vezes a Santa Maria da Feira, não teria tantas folgas...

- É uma pessoa optimista?

- Sou muito optimista, muito positiva. Essa é uma grande qualidade minha.

- Qual é o seu defeito?

- Sou muito distraída. Esqueço-me do computador no comboio, já perdi as chaves do carro... E fico aborrecida comigo...

INTIMIDADES

- Quem convidaria para um jantar a dois?

- A Meryl Streep. É uma actriz que admiro, gostava de conhecê-la pessoalmente.

- Quem é para si o homem mais sexy?

- O meu namorado [Guima, avançado da Oliveirense].

- O que não suporta no sexo oposto?

- A falta de educação. Mas isso não suporto em qualquer pessoa, seja homem ou mulher. Não há nada em particular que eu não suporte só no sexo oposto.

- Qual é o seu maior vício?

- Água e chocolate. Estou sempre a beber água, mesmo quando não tenho sede.

- Qual foi o último livro que leu?

- ‘O Verão na Cidade’, de Candace Bushnell.

- O filme da sua vida?

- Tenho vários, mas gosto particularmente de ‘As Pontes de Madison County’.

- Cidade preferida?

- Santa Maria da Feira.

- Um desejo?

- Tenho tantos... Fazer feliz as pessoas que estão à minha volta. Só assim é que consigo ser feliz.

- Complete. A minha vida é...

- Abençoada.

PERFIL

Catarina Gouveia, 24 anos, nasceu no Porto, mas vive entre Lisboa e Santa Maria da Feira. Foi capa da revista ‘FHM’, participou nas séries ‘Morangos com Açúcar’ e ‘Destino Imortal’ e na novela ‘Espírito Indomável’. Integra o elenco de ‘Doce Tentação’.



Partilhar:

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Presslivre, S.A.,
uma empresa Cofina Media - Grupo Cofina.